Logo

Publicado primeiro RED BOOK português sobre as artes tradicionais (do Algarve)

foto red book 3O Red Book – Lista Vermelha das Atividades Artesanais do Algarve – foi finalmente lançado!

Traduz num formato livro um trabalho de investigação e inventariação que realizámos no primeiro semestre de 2021 sobre o grau de risco de 26 artes tradicionais do Algarve, envolvendo 174 artesãos, 16 municípios e 4 associações de artesanato da região.

O livro é composto por duas partes, a primeira apresenta o estudo propriamente dito, a metodologia utilizada, os critérios para a avaliação do grau de risco, os resultados a que se chegou com o tratamento da informação e as recomendações apontadas para a salvaguarda destas artes. A segunda parte, faz uma caracterização de cada ofício, com base na informação recolhida.

Foi uma enorme satisfação coordenar e realizar este trabalho, algo que defendemos já há muito tempo, e congratulamos a CCDR Algarve por ter encontrado a oportunidade de o fazer no âmbito do projeto 0752_MAGALLANES_ICC_5_E, Centro Magalhães para o Empreendimento de Indústrias Culturais e Criativas.

Consideramos essencial conhecer mais aprofundadamente a realidade dos ofícios que fazem parte do património cultural do Algarve, para desse modo poder desenhar medidas adequadas à sua salvaguarda.

É nossa convicção que este será um importante passo para sensibilizar a comunidade e entidades públicas em relação ao risco de desaparecimento das artes tradicionais, decorrente da idade avançada dos artesãos ou perda da utilidade de alguns objetos, mas sobretudo da desvalorização social e económica de que muitas destas atividades têm padecido.

Este livro é, portanto, e mais que tudo, um instrumento de trabalho para agir no sentido da salvaguarda das atividades artesanais, mesmo daquelas que foram avaliadas como viáveis no momento do estudo, porque todos os ofícios que investigámos estão sujeitos a muitas fragilidades e podem passar para a parte “vermelha” da lista em poucos anos. 

Destacamos alguns sinais de alerta apurados nos resultados: 14 das 26 atividades encontram-se a necessitar de salvaguarda urgente e 1 está classificada já como desparecida; a média geral dos 174 artesãos é de 64 anos (nalgumas atividades ultrapassa os 70 anos); os principais fatores de ameaça identificados pelos artesãos são a insuficiente viabilidade económica da atividade, o pouco interesse do mercado e constrangimentos na passagem de saber.

Há muito mais para dizer sobre o estudo, mas o melhor mesmo é consultá-lo. Os livros estão com a CCDR Algarve e é junto desta entidade que devem ser solicitados. A informação que temos é que serão disponibilizados também em formato ebook na biblioteca digital desta entidade.

Queremos agradecer muito à equipa que realizou este trabalho feito num contexto particularmente difícil com todas as limitações impostas pela pandemia e prazos apertados do projeto. Também à Comissão Técnico-Científica que se disponibilizou imediatamente para colaborar connosco, dando contributos e validando as várias etapas do processo. E especialmente aos artesãos e entidades que deram o seu tempo e informações sem as quais não poderíamos ter chegado aqui.

COORDENAÇÃO GERAL: Graça Palma e João Ministro – Proactivetur Unipessoal, Lda.

COORDENAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO: Susana Calado Martins

INVESTIGAÇÃO: Graça Palma, Susana Calado Martins e Vitória Horta

COMISSÃO TÉCNICO CIENTÍFICA:

Orientação Científica: Miguel Reimão Costa – CEAACP/UAlg

António Palma – IEFP

Clara Bertrand Cabral – Comissão Nacional da UNESCO

Cristina Fé Santos – Técnica Superior de Património Cultural

Fernando Gaspar e Luís Rocha – CEARTE

Graça Lobo – Direção Regional de Cultura do Algarve

Paulo Ferreira Costa – DGPC – Museu Nacional de Etnologia/Museu de Arte Popular

EDIÇÃO GRÁFICA E REVISÃO

Sul, Sol e Sal

 

Projeto TASA – Técnicas Ancestrais Soluções Atuais
  • PROMOTOR:
    CCDR
  • GESTÃO DO PROJETO:
    ProActive Tur
  • APOIOS:
    Algarve 21